quarta-feira, 23 de julho de 2014

Sem torcida, Santa Cruz enfrenta o Botafogo/PB pela Copa do Brasil

Gamalho é a referência no ataque Coral diante do Bota-PB (Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem)
Nesta quarta-feira, o Santa Cruz volta a campo pela Copa do Brasil. No jogo da volta, o Tricolor enfrenta o Botafogo/PB, às 22h, no Arruda. Para a partida, a equipe Coral não vai contar com seu principal reforço: a torcida.
 
Os portões do estádio estarão fechados em cumprimento à punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta do caso do torcedor que foi atingido por uma privada no jogo contra o Paraná, pela Série B, em 2 de maio.
 
A última vez que isso aconteceu foi contra o América-MG pela Série A, mas nos Aflitos. Este será o terceiro e último jogo com portões fechados por causa do incidente contra o Paraná.
 
No confronto de ida, em 14 de maio, Santa e Botafogo/PB empataram em 1×1 no Almeidão, em João Pessoa. Para passar de fase, o Tricolor precisa vencer ou empatar em 0×0. Caso o placar do primeiro jogo se repita, haverá disputa de pênaltis.
 
Para a partida, o técnico Sérgio Guedes conta com o retorno de Carlos Alberto ao meio-campo. Quem também está de volta ao time é o lateral-esquerdo Julinho, recuperado de lesão. Ainda no time Toni entra na lateral-direita substituindo Nininho, que não vinha bem na equipe e será barrado dos 11 iniciais. o Santa joga com a vantagem de empatar por 0×0 ou uma vitória simples.
 
Empate por 1×1 levará o jogo para os pênaltis. Sendo assim, Sérgio Guedes pediu aos seus comandados que treinasse penalidades após o treino desta terça-feira. Léo Gamalho, Tony, Everton Sena, Renatinho, Danilo Pires, Carlos Alberto e Pingo foram os cobradores escolhidos.
 
Outra exigência na movimentação foi a bola parada, algo que vem tirando o sono dos corais por causa dos últimos gols sofridos. Foram pouco mais de 40 minutos intensos dedicados a cobranças de escanteio e faltas alçadas para a área.
 
Botafogo/PB – O Belo vem a Recife depois de um empate fora de casa com o ASA pela Série C do Brasileirão no último domingo. Nesta terça, a equipe treinou em seu CT, em João Pessoa. Quem enfrentou o ASA fez apenas um treino regenerativo e os demais participaram de um rachão.
 
O Botafogo vem ao Recife se confiando no desfalque da torcida tricolor para arrancar a classificação. Para isso, precisam de uma vitória simples ou de um empate a partir de 2×2.
 
 
Ficha Técnica: Santa Cruz x Botafogo/PB
 
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Toni, Everton Sena. Renan Fonseca e Renatinho; Memo, Sandro Manoel, Danilo Pires e Carlos Alberto; Pingo e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.
 
Botafogo/PB: Genivaldo; Ferreira, Magno Alves, André Lima e Badé; Zaquel, Pio, Lenílson e Doda;  Lúcio Curió e Frontini. Técnico:  Marcelo Vilar
 
Copa do Brasil (2ª fase). Local: Arruda, Recife (PE). Quarta-feira (23), às 22h. Árbitro: Jefferson Schmidt (SC). Assistentes: Angelo Rudimar Bechi e Rosnei Hoffmann Scherer (ambos de SC).
 
Por Matheus Albino

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Mesmo sem perder nos últimos cinco jogos, Salgueiro ainda é irregular na Série C

Carcará tem 42,9% de aproveitamento, atrás um ponto do G4 e distante três pontos da zona de rebaixamento (Imagem: Divulgação) CLIQUE NA IMAGEM PARA VER EM TAMANHO MAIOR

Depois da 7ª rodada e com o empate por 2 a 2 com o CRAC-GO, o Salgueiro com nove pontos fica na quinta posição. O Carcará balançou às redes adversárias sete vezes, média de um gol por jogo. A defesa sofreu nove gols, o que dá a equipe um saldo negativo de dois.
 
Foram duas vitórias, três empates e duas derrotas, deixando nítido que o time ainda não consegue mostrar regularidade na Série C do Campeonato Brasileiro.
 
Se serve de consolo, os salgueirenses não sabem o que é perder desde a 2ª rodada, quando foram derrotados pelo  Águia em Marabá por 3 a 0 no último dia 4 de maio. Nos últimos cinco jogos, foram três empates e duas vitórias.
 
No próximo compromisso o Salgueiro vai até Maceió enfrentar o CRB, terceiro colocado com 11 pontos. Uma vitória do Carcará leva o time ao G4 da competição. O jogo será domingo (27), às 16h, no estádio Rei Pelé.

Técnico diz que tempo sem jogar interferiu no desempenho do Salgueiro

Alcântara alegou falta de ritmo de jogo para justificar o jogo ruim do Salgueiro diante do Crac (Foto: GloboEsporte.com)
O Salgueiro perdeu a chance de entrar no G4 do grupo A do Campeonato Brasileiro da Série C. Com o empate diante do Crac por 2 a 2, no estádio Cornélio de Barros, o Carcará ocupa a quinta colocação com nove pontos. Mesmo não conquistando a vitória, o resultado ficou de bom tamanho para a equipe do técnico Fernando Alcântara, que perdia até os 46 minutos da etapa final, quando o goleiro Luciano resolveu ir até a área adversária e conseguiu dar o passe para o gol de empate. Devido ao tempo que a equipe ficou sem jogar, o técnico Fernando afirma que já esperava por dificuldades na partida.
 
– Era o que eu estava prevendo mesmo. Por passarmos um tempo parado, sabíamos que a gente passaria por dificuldades e que somente a partir do segundo ou terceiro jogo teremos a equipe mais solta. Durante o tempo de preparação tivemos um amistoso, mas não se aproxima da realidade de jogo que enfrentamos na competição – explica Fernando.
 
Já a respeito do lance de felicidade do goleiro do Carcará, Fernando conta que nas circunstâncias da partida não hesitou em permitir a ida do arqueiro na tentativa de ajudar no ataque.
 
– Ele perguntou para mim (se poderia subir até o ataque) e prontamente eu atendi. E ele teve a inspiração de contribuir com o gol. 80 % do gol saiu da cabeça dele.
 
No próximo domingo (27) o Salgueiro terá o jogo de seis pontos. A equipe vai enfrentar o CRB, terceiro colocado com 11 pontos. Em caso de vitória o Carcará ultrapassa os alagoanos e entra de vez no G4.
 
Por GloboEsporte.com

MELHORES MOMENTOS: Goiás 0 x 0 Sport


GOLS: Náutico 1 x 3 Boa Esporte


GOLS: Vila Nova 3 x 2 Santa Cruz


Sport prioriza a defesa, arranca ponto do Goiás mas cai na classificação

Técnico do Sport elogiou a defesa rubro-negra diante do Goiás no Serra Dourada (Foto: Divulgação)
Num jogo em que foi brilhante na defesa e capenga no ataque, o Sport arrancou um ponto do Goiás no Serra Dourada, na noite deste domingo (20) com o empate por 0×0. Apesar disso, os demais resultados da rodada derrubaram o time pernambucano do G4 para a oitava posição, agora com 18 pontos. No próximo domingo, os rubro-negros recebem o Atlético Mineiro, provavelmente na Arena Pernambuco. Antes, na quinta, os leões fazem o jogo da volta contra o Paysandu, pela Copa do Brasil.
 
Desde os primeiros minutos o Sport mostrou que não tentaria levar vantagem de qualquer forma. O time pernambucano optou por controlar o Goiás o máximo que pôde e o fez com competência e sem permitir pressão do adversário. Como? Usando princípios básicos de quem defende num jogo de futebol. Primeiro, tirou amplitude (largura) e profundidade (extensão) aproximando as linhas de marcação.
 
Essas mesmas linhas aproximadas fechavam as linhas de passe do Goiás. O time esmeraldino era quase sempre obrigado a usar um lançamento mais longo ou uma jogada individual no meio de um enxame de rubro-negros. Defensivamente, tudo ok. Mas na hora de mudar o chip defensivo para o ofensivo, os leoninos não imprimiam a velocidade necessária.
 
E houve oportunidades. Na primeira, Felipe Azevedo arrancou mas correu para o lado em que haviam mais marcadores quando Leonardo aparecia livre no lado esquerdo. Terminou desarmado. Zé Mário teve duas jogadas semelhantes. Primeiro foi derrubado. Depois, pressionado, desabou no gramado pedindo falta que não houve.
 
Quando fez a bola correr mais rápido, o time da Ilha teve sua melhor chance, aos 35. Felipe Azevedo e Érico Júnior tocaram apenas uma vez na bola para deixar Zé Mário cara a cara com Renan pelo lado esquerdo da pequena área. O chute do camisa 31 foi rasteiro e defendido com os pés. Os goianos responderam numa boa jogada individual de Assuério apenas dois minutos depois. Ele foi à linha de fundo e cruzou para trás, onde estava Tiago Real livre. Magrão saiu bem para bloquear o chute.
 
Depois disso, os dois times preferiram não correr risco. Ambos ocuparam bem os espaços e preferiram não correr riscos. Os laterais quase não avançaram e nenhum volante tentou furar o bloqueio contrário. Por isso, o 0×0 além de justo traduziu bem os objetivos dos dois times.
 
O Goiás voltou para o segundo tempo com uma alteração para tentar abrir o ferrolho leonino. Liniker deu lugar a Erik, que ficou fixo na direita como um antigo ponta. Eduardo Baptista contra-atacou com a entrada de Danilo no lugar de Érico Júnior justamente naquele setor. Com um lateral de ofiício ele reforçaria a marcação no lado esquerdo da defesa sem perder ofensividade.
 
O jogo estava mais para xadrez do que futebol, tamanha era a movimentação das peças no ‘tabuleiro’. O primeiro a tentar algo diferente foi Thiago Mendes. Num jogo em que os laterais foram exclusivamente defensores, ele arrancou pela direita e cruzou quase da linha de fundo. Patric apareceu para mandar para escanteio.
 
Mais corajoso que o Sport, o Goiás deixou seu gol mais maduro aos 29 minutos. Ao invés de tentar a jogada em profundidade, Erik cortou para o meio da área e encontrou Esquerdinha. Ele tocou de leve para Ramon, que entrava de frente para o gol. Passou por Magrão mas o ângulo de chute ficou muito curto. Terminou acertando a parte externa da rede.
 
Se o Goiás tentava ser ousado, o Sport confirmou seu conservadorismo com a entrada do volante Willian no lugar de Leonardo. E no minuto seguinte saiu aquele tipo de jogada que os centroavantes esperam a partida inteira. Patric finalmente arrancou para a área e cruzou a meia altura. Renan afastou parcialmente e, no rebote, Wendell chutou torto, para fora. Antes disso, Bruno Mineiro escorou cruzamento de Lima e venceu Magrão. Mas estava impedido.
 
 
Ficha do jogo:
 
Goiás: Renan; Thiago Mendes, Jackson, Pedro Henrique e Lima; Amaral, David, Ramon, Liniker (Erik) e Tiago Real (Esquerdinha); Assuério (Bruno Mineiro). Técnico: Ricardo Drubscky.
 
Sport: Magrão; Patric, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely, Wendel e Zé Mario (Renan Oliveira); Érico Junior (Danilo), Felipe Azevedo e Leonardo. Técnico: Eduardo Baptista.
 
Série A (11ª rodada). Estádio: Serra Dourada, Goiânia (GO). Árbitro: Péricles Bassols (RJ). Assistentes: Rodrigo Henrique Corrêa e Eduardo de Souza Couto (ambos do RJ). Cartões amarelos: Lima, Patric, Wendell e Rithely.
 
 
Por Wladmir Paulino

domingo, 20 de julho de 2014

Luciano pede paciência a torcida e fala que o Salgueiro quer implantar o mesmo estilo de jogo da Alemanha

Luciano tem feito boas atuações na Série C (Foto: Héliton)
Mesmo com o empate dentro de casa diante do CRAC-GO pela Série C do Campeonato Brasileiro, um nome em especial deixou o campo muito feliz. O goleiro Luciano, destaque da equipe com grandes atuações durante a competição, foi decisivo mais uma vez. E agora o camisa 1 do Carcará apareceu na outra área, e deu uma de atacante do Salgueiro.
 
Nos acréscimos do segundo tempo, o Carcará contou com o goleiro para empatar o jogo por 2 a 2. Ele não fez o gol, mas de cabeça serviu o atacante estreante Zé Roberto que mandou a bola para às redes adversárias.
 
Além de ter participado diretamente do lance que gerou o empate salgueirense, Luciano se tornou pai pela quinta vez na véspera da partida. Nasceram as gêmeas Maria Vitória e Ana Vitória. O goleiro pediu paciência a torcida e falou que o time mudou a forma de jogar, se espelhando na seleção alemã, tetracampeã do mundo.
 
"O torcedor tem que ter o pouco de paciência. Nós estamos querendo implantar o jeito de jogar da Alemanha, já vínhamos treinando assim há algum tempo. Agora no início será complicado, mas depois que engrenar, vai ficar muito bom", explicou Luciano.
 

Salgueiro sofre para empatar com o CRAC-GO dentro de casa

Atacante Zé Roberto estreou marcando o gol de empate do Salgueiro nos acréscimos da partida (Foto: Divulgação)
Depois da pausa durante a Copa do Mundo, o Salgueiro voltou a campo neste domingo no Cornélio de Barros para enfrentar o CRAC-GO pela 7ª rodada do Brasileiro da Série C. Contando com Tamandaré, Caicó, Potiguar, Paraíba, Ceará e Juazeiro na equipe, o Carcará teve muitas dificuldades para arrancar o empate por 2 a 2 nos acréscimos da partida.
 
O time goiano fez 2 a 0 ainda no primeiro tempo com dois gols de Everton. O Salgueiro descontou na etapa final com Anderson Paraíba e o estreante Zé Roberto, após desvio de cabeça do goleiro Luciano que foi ao ataque em cobrança de escanteio. O volante Rodolfo Potiguar acabou sendo expulso na etapa final.
 
O resultado levou o Carcará aos nove pontos, ocupando provisoriamente o quarto lugar. Os goianos continuam na vice-lanterna na zona de rebaixamento com seis. Na próxima rodada o Salgueiro enfrenta o CRB fora de casa no próximo domingo, enquanto o CRAC vai receber o ASA-AL. 
 
 
FICHA TÉCNICA
SALGUEIRO 2 X 2 CRAC-GO
 
SALGUEIRO - Luciano; Marcos Tamandaré, Arthur, Raniere e Perí; Rodolfo Potiguar, Vitor Caicó (Daniel), Cássio (Valdeir) e Anderson Paraíba; Fabrício Ceará e Júnior Juazeiro (Zé Roberto). Técnico: Fernando Alcântara.
 
CRAC - Dudu; Éverton, Thiago Sala, Luciano, Maninho e Perini; Fábio, Coquinho (Thiago Bob), Diogo; Tito (Vinícius) e Jeferson. Técnico:  
Local: Estádio Cornélio de Barros Muniz, Salgueiro-PE; Árbitro: José Cleuton Souza Lima; Cartões amarelos: Raniere (S); Maninho, Coquinho e Jeferson (C); Cartão vermelho: Rodolfo Potiguar (S); Gols: Everton (2) (10' 1T e 24' 1T) (C); Anderson Paraíba (26' 2T) e Zé Roberto (46' 2T); Público: 5.577; Renda: R$ 52.890,00.