segunda-feira, 1 de setembro de 2014

GOL: Paysandu 1 x 0 Salgueiro


GOLS: Sport 2 x 0 Criciúma


GOLS: Ponte Preta 2 x 0 Náutico


GOLS: Santa Cruz 2 x 0 Atlético-GO


Sport se reabilita com vitória de 2×0 sobre o Criciúma

Neto Baiano comemora gol após oito jogos de jejum (Foto: Divulgação)
Em dois tempos distintos, prevaleceu o segundo tempo do Sport, que foi bem superior ao Criciúma e venceu por 2×0 na tarde deste domingo (31), na Ilha do Retiro. O resultado apagou as más atuações contra Fluminense e Vitória – esta última pela Copa Sul-Americana. Os três pontos fizeram o time ficar na sétima posição na Série A do Brasileirão.
As mudanças eram pedidas pela torcida e vieram. Vítor, Ferron, Danilo e Diego Souza apareceram no time titular do Sport nos lugares de Patric, Oswaldo, Ibson e Ananias. Mas o principal não mudou: a marcação frágil no meio de campo, que dava espaço para contra-ataques. Para piorar ainda mais, Diego Souza, de quem se esperava um suporte maior para Neto Baiano, sentiu a face posterior da coxa com dois minutos de partida.
O camisa 87 ainda fez um esforço para tentar ficar em campo, o suficiente para ver o primeiro contra-ataque perigoso do Tigre, aos seis. Cléber Santana chutou para Magrão defender parcialmente. Antes de a bola ir para o gol, Vítor apareceu para ceder escanteio. Com muitos erros de passe e consequente pouca posse de bola no meio, o time rubro-negro ficou sem força para chegar ao ataque.
Diego Souza terminou saindo aos nove minutos, sendo substituído por Zé Mário. A função dele era ocupar o lado direito do setor de criação assim como Danilo deveria fazer o mesmo pela esquerda. Mas a dupla não movimentou-se o suficiente e terminou presa fácil para os marcadores. Com dificuldade nas duas transições – defensiva e ofensiva – passava a imagem de lentidão e falta de criatividade.
E prova disso é que o primeiro lance de perigo dos donos da casa só aconteceu aos 31 minutos. Durval interceptou um cruzamento e tocou para Felipe Azevedo. O camisa 11 avançou e tocou para Zé Mário chutar com perigo, à esquerda de Luiz. A primeira jogada perigosa acendeu o ímpeto dos leoninos. Aos 38 o até então apagado Danilo marcou a saída de bola de Eduardo e passou para Renê soltar uma bomba. Luiz espalmou. Na cobrança do escanteio, Rithely cabeceou raspando a trave esquerda.
Mas os minutos finais foram um tormento para o Sport. Na saída errada pela direita, aos 42, Cortez cruzou para Rafael Costa acertar o travessão. Aos 46, Lucca bateu escanteio para Fábio Ferreira acertar o poste direito.
Numa prova de que a substituição não fora a mais indicada, o técnico Eduardo Baptista voltou para o segundo tempo sem Zé Mário. Mas para quem esperava um jogador de meio de campo ou atacante, quem apareceu foi o lateral-direito Patric. O recado estava claro: o setor direito defensivo do Sport falhou clamorosamente, tanto para criar quanto, principalmente, para defender. A aposta era que um lateral de muita força física ajudasse atrás e na frente.
E saiu de Patric o primeiro gol leonino. Ele bateu falta da meia-direita e Rithely desviou de cabeça. Luiz fez grande defesa mas a bola sobrou limpa para Neto Baiano empurrar para as redes. Ainda atordoado pelo gol, o Criciúma recebeu o segundo golpe apenas dois minutos depois. Felipe Azevedo puxou mais um contra-ataque e serviu Danilo. Ele ajeitou e chutou forte, na saída de Luiz.
Não foi apenas a entrada de Patric que mudou o panorama. A postura tática do time da Ilha mudou. Tanto Patric quanto Danilo passaram a marcar a saída de jogo dos laterais do Criciúma. Além de manter a bola perto da área catarinense, a medida também isolou o meio de campo e o ataque do adversário. Prova disso foi a pouca participação do atacante Souza.
Aos 22 minutos, a marcação recuou um pouco com a entrada do volante Augusto no lugar do lateral Vítor. Patric passou à faixa de campo que normalmente ocupa e o jogador de meio de campo assumiu a função de marcar a saída pelo lado esquerdo. A força ofensiva caiu um pouco. Mesmo assim, os rubro-negros não deram espaço para o adversário levar perigo.
Ficha de jogo
Sport: Magrão; Vítor (Augusto), Durval, Ferron e Renê; Rithely, Wendel, Danilo e Diego Souza (Zé Mário) (Patric); Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.
Criciuma: Luiz; Eduardo (Luís Felipe), Alcides, Fábio Ferreira e Cortez; Serginho (Giovanni), Rodrigo Souza, Cleber Santana e Rafael Costa (Maurinho); Lucca e Souza. Técnico: Wilson Waterkemper.
Local: Ilha do Retiro. Árbitro:  Luiz Flavio de Oliveira (SP). Assistentes:  Marcelo Carvalho Van Gasse e Rogerio Pablos Zanardo (ambos SP). Gols: Neto Baiano, aos cinco; e Danilo, aos sete do segundo tempo. Cartões amarelos: Danilo, Zé Mário, Wendel, Cortez, Serginho, Eduardo e Rafael Costa.
Por Wladmir Paulino

sábado, 30 de agosto de 2014

Salgueiro não joga bem e perde para o Paysandu na Curuzu

Alcântara viu o seu time perder no PA
(Foto: Divulgação)
Jogando no palco onde conquistou o maior feito de sua história - o acesso à Série B em 2010 - o Salgueiro não esteve em uma boa jornada e saiu derrotado do estádio da Curuzu. O resultado de 1 a 0 a favor do Paysandu deixa o Carcará com os mesmos 19 pontos, em quarto lugar, no G4 – zona de classificação. O Papão ganhou posições importantes, aparecendo com 16 pontos, em sexto lugar do Grupo A.
 
VITÓRIA NO SACRIFÍCIO Ao final do jogo, vários jogadores sentiram câimbras e dores musculares. Alguns até sentaram no gramado e outros foram para os vestiários com a ajuda de seus companheiros.
 
“Nosso grupo é novo, portanto, vários jogadores estão num nível físico ainda abaixo do esperado. Então precisamos vencer na raça. E foi o que aconteceu. Se tivéssemos um pouco de sorte, poderíamos ter marcado mais gols”, explicou o técnico Mazola Júnior que fez questão de elogiar o trabalho de Fernando Alcântara, técnico do Salgueiro.

O Papão iniciou na pressão, como era esperado, e deu sorte de abrir o placar logo aos 13 minutos. Num chute de Djalma a bola desviou no zagueiro Ranieri e entrou. Mas o gol foi anotado para o jogador do Papão, que desferiu o chute.
 
SEM MEDO
Depois disso, o Salgueiro não se intimidou. Passou a tocar a bola, mostrando um excelente posicionamento tático. Nisso, abriu espaços para os contra-ataques do Paysandu.
 
No segundo tempo, o jogo começou quente. Aos quatro minutos, de falta, Pikachu cobrou falta e a bola, caprichosa explodiu no travessão. O Salgueiro respondeu num chutaço de Daniel que também balançou a trave do Papão, aos nove minutos.
 
Fernando Alcântara: faltou concentração no 1º tempo
Aos 12 minutos, Pikachu teve outra chance valiosa, mas chutou fora. A bola tirou tinta da trave. Depois disso, o jogo ficou perigoso, porque o Paysandu recuou, sentiu o esforço do adversário e se defendeu com unhas e dentes.

“Entramos no primeiro tempo confundindo calma com concentração. Dominamos o adversário e não finalizamos”, analisou Fernando Alcântara, técnico muito elogiado do Salgueiro.
PRÓXIMOS JOGOS

O Paysandu vai atuar agora só na outra segunda-feira, dia 8, às 21h30, diante do Botafogo, em João Pessoa, na Paraíba, no Estádio Almeidão. No domingo, às 16 horas, o Salgueiro recebe o Cuiabá, pela 14.ª rodada.
 
 
FICHA TÉCNICA
PAYSANDU 1 X 0 SALGUEIRO
 
Paysandu
Paulo Rafael;
Everton (J.Maranhense), Charles, Fernando Lombardi e Fábio Alves;
Augusto Recife, Zé Antônio, Djalma e Pikachu;
Héverton (Raul) e Dennis (Rômulo)
Técnico: Mazola Júnior
 
Salgueiro
Luciano;
Tamandaré, Ranieri, Ricardo Braz e Pery;
Moreilândia (José Roberto) Vitor Caicó, Daniel e Anderson Paraíba (Rodolfo); Elvis e Fabrício Ceará (Valdeir)
Técnico: Fernando Alcântara
 
Local: Estádio da Curuzu - Belém (PA); Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ); Auxiliares: Lorival Candido das Flores (RN) e Vinicius Melo de Lima (RN); Cartões Amarelos: Lorival Candido das Flores (RN) e Vinicius Melo de Lima (RN); Cartões Amarelos: Paysandu-PA: Augusto Recife, Djalma, Charles, Fábio Alves; Salgueiro-PE: Marcos Tamandaré, Valdeir; Renda: R$ 273.034,00; 7.694 pagantes - (8.702 total).
 
Com informações AFI

Sport busca regularidade na Série A contra o Criciúma

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
De um lado o Leão (Sport), do outro o Tigre (Criciúma), um duelo para ver e ouvir quem ruge mais alto. Ambos se enfrentam neste domingo às 16h, na Ilha do Retiro, pela 18° rodada da Série A. O Sport, atual oitavo colocado com 25 pontos, vem pressionado por conta dos resultados negativos que conquistou nos últimos jogos e busca uma regularidade na Série A.
 
Desde o final da Copa do Mundo foram oito jogos no Brasileirão três vitórias, dois empates e três derrotas, além de da derrota para o Vitória na Sul-Americana. É o pior momento do time na temporada, exatamente no momento em que a diretoria fez os maiores investimentos para a temporada trazendo dois reforços de peso, Ibson e Diego Souza.
 
Diego que ainda não está em condições de suportar 90 minutos de uma partida. O ataque marcou apenas 14 gols e é aparece entre os piores. Neto Baiano não marca desde o jogo contra o Botafogo na décima rodada. O técnico Eduardo Baptista afirmou que irá fazer mudanças no time mas não confirmou a escalação.
 
Ele não terá o zagueiro Ewerton Páscoa e o meia-atacante Ananias que se lesionaram no último jogo. Além deles, desfalcam o time Régis, Leonardo, Érico Junior e Rodrigo Mancha. Oswaldo ficou com a vaga de Páscoa. No meio, Augusto Cesar, Zé Mario e Diego Souza aparecem como opções para o lugar de Ananias.
 
O Adversário
O Criciúma aparece na 17° posição com 17 pontos, ou seja, está na zona de rebaixamento. Assim como o Sport, aliás, pior, o Tigre não vive um bom momento na temporada. Demitiu o técnico Wagner Lopes e está a procura de alguém para assumir o comando. Quem viajou para o Recife foi Wilson Waterkemper, o Wilsão.
 
Para o jogo ele não terá João Vitor e Silvinho. O primeiro foi expulso contra o Flamengo e o segundo levou o terceiro cartão amarelo. O interminável Paulo Baier, 39 anos, será poupado. Serginho e Lucca, que atuaram contra o São Paulo, serão mantidos no time.
 
 
Ficha de jogo
Sport: Magrão; Patric, Durval, Oswaldo e Renê; Rithely, Wendel, Ibson (Zé Mario) e Augusto Cesar (Diego Souza); Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista
 
Criciuma: Luiz; Eduardo, Gualberto, Fábio Ferreira e Cortez; Serginho, Rodrigo Souza, Cleber Santana e Rafael Costa; Lucca e Souza. Técnico: Wilson Waterkemper
 
Campeonato Brasileiro Série A (18°rodada)
Local: Ilha do Retiro
Horário: 16h
Data: 31/08
Árbitro:  Luiz Flavio de Oliveira – SP
Assistentes:  Marcelo Carvalho Van Gasse e Rogerio Pablos Zanardo (ambos SP)
 
Por Matheus Albino

Náutico cai diante da Ponte e interrompe sequência de vitórias

Imagem do jogo. Foto: site oficial da Ponte Preta
A sequência de vitórias do Náutico foi interrompida com a derrota por 2×0 para a Ponte Preta em jogo realizado neste sábado no Moíses Lucarelli, pela 19° rodada da Série B.  Com o resultado, o Timbu perdeu a invencibilidade que durava três jogos. Esta foi a primeira derrota da era Dado Cavalcanti.
 
Os gols da Ponte foram marcados por Rafael Costa e Jonathan Cafu, todos no segundo tempo. Com a derrota o Náutico caiu para a décima posição com 27 pontos. Na próxima rodada, o time recebe o Bragantino pela 20° rodada, no sábado. O meia Vinícius volta após cumprir suspensão.
 
Já Cañete, ainda não está confirmado para retornar ao time. Por outro lado, o Náutico não terá os laterais Rafael Cruz e Raí que receberam o terceiro amarelo.
 
Com os três pontos, a Macaca foi ao sexto lugar com 31 pontos. O próximo jogo está marcado contra o Icasa mas o time de Juazeiro-CE foi excluído da competição e aguarda julgamento no STJD para definir o seu futuro.
 
O jogo
O Náutico entrou em campo sonolento e marcando muito mal a começar do meio de campo, que não fez a cobertura para a desentrosada dupla de zaga Flávio e Renato Chaves. O time deu muitos espaços para a Ponte que não soube aproveitar. Foi a pior apresentação desde a chegada de Dado Cavalcanti.
 
O time de Campinas criava as oportunidades achando os espaços, principalmente com Cafu e Rony, mas pecava na hora de finalizar ao gol. Quando acertou, Júlio Cesar estava atento e evitou o gol no primeiro tempo. O jovem Guilherme não conseguiu fazer a função de meia e deixou o time sem criatividade.
 
Marinho tentou assumir a responsabilidade mas sempre estava pelos lados e não encontrou espaços na defesa adversária. Tadeu foi um mero espectador em todos os minutos que esteve em campo e as laterais não funcionaram tanto na marcação, quanto na parte ofensiva.
 
Assim o Timbu não teve grandes chances e Dado resolveu mudar para a etapa final. Elicarlos voltou a equipe no lugar de Guilherme para reforçar a marcação. Marcação essa que começou mais adiantada com a missão de minimizar os espaços dos donos da casa.
 
As coisas começaram a melhorar para o Náutico depois da expulsão do zagueiro Tiago Alves, aos oito minutos. Mas, o Timbu não soube aproveitar a vantagem numérica e tomou o gol logo aos 18 minutos, com Rafael Costa que invadiu a área e tocou na saída de Júlio Cesar.
 
Dado então tirou Tadeu para colocar o meia Marcos Vinícius. Guto Ferreira tratou logo de segurar o resultado tirando o atacante Rony para a entrada do zagueiro Gilvan. A posse de bola passou a ser do time pernambucano mas o time chegou apenas com Marinho que mandou uma bomba para uma bela defesa de Roberto. O castigo veio aos 33 minutos com o gol de Cafu, que mereceu pela partida incansável que fez.
 
 
Ficha Técnica
 
Ponte Preta: Roberto; Rodinei, Tiago Alves, Diego Sacoman e Bryan; Fernando, Juninho, Roni (Gilvan) e Adrianinho (Renato Cajá); Jonathan Cafu (Adilson Goiano) e Rafael Costa. Técnico: Guto Ferreira
 
Náutico: Júlio César; Rafael Cruz, Renato Chaves, Flávio e Raí (Roberto); João Ananias, Paulinho, Guilherme (Elicarlos); Marinho, Sassá e Tadeu (Marcos Vinícius). Técnico: Dado Cavalcanti
 
Série B (19ª rodada). Estádio: Moisés Lucarelli, Campinas (SP). Sábado (30), às 16h10. Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO). Assistentes:  Jesmar Benedito Miranda de Paula e Leone Carvalho Rocha (ambos de GO).
Cartões amarelos: Náutico – Paulinho, Rafael Cruz e Raí; Ponte Preta – Tiago Alves, Fernando Bob, Renato Cajá e Adilson Goiano. Cartões vermelhos: Tiago Alves. Gols. Ponte Preta – Rafael Costa aos 8 minutos e Cafu aos 33 do segundo tempo. Público: 7.028 torcedores. Renda: R$ 63.290

Por Matheus Albino

Paysandu x Salgueiro – Carcará reencontra estádio em que teve sucesso

No dia do acesso à Série B, o Salgueiro derrotou o Paysandu na Curuzu jogando de branco (Foto: Divulgação)
Uma das gratas surpresas do Campeonato Brasileiro da Série C, o Salgueiro já visa a vice-liderança do Grupo A, que pode ser conquistada neste sábado, quando encara o Paysandu às 18h30, na volta do Estádio da Curuzu, pela 13ª rodada. Para conquistar o objetivo, o Carcará terá que torcer também contra o Botafogo-PB, na partida diante do CRB.
 
O Paysandu entra confiante na partida. Pela primeira vez na competição, o Papão atuará na sua verdadeira casa, o Curuzu. Estádio que está reformado, com um novo gramado, aparentando um tapete. No jogo, porém, o clube paraense busca a reabilitação na rodada, já que vem de derrota para o ASA por 1 a 0. Atualmente, é o sétimo com 13 pontos.

Por sua vez, o Salgueiro tem boas lembranças do Curuzu. O Carcará conquistou no estádio o acesso para a Série B do Brasileiro em 2010 e espera conquistar uma vitória, que pode encaminhar sua classificação à próxima fase. A equipe pernambucana vem de duas vitórias seguidas, que o deixou na terceira colocação com 20 pontos, um a menos do que o Botafogo-PB, vice-líder, e a um na frente do CRB, quinto.
 
NOVIDADES NO PAPÃO
A principal novidade do Paysandu para a partida contra o Salgueiro é poder atuar ao lado de seus torcedores no Estádio da Curuzu. O Papão quer fazer valer a sua força como mandante para conseguir se distanciar da zona de rebaixamento e colar G4. Além da sua “casa”, o clube paraense deve ter também o retorno de Zé Antônio ao time titular.
 
Além do meia, quem também deverá começar entre os 11 neste sábado é o meia Djalma. Com isso, Ricardo Capanema e Raul acabam deixando a equipe. No ataque, Dennis continua mais à frente. Já Héverton deverá fazer o papel de um segundo atacante na partida.

O Papão não realizava as suas atividades na Curuzu a aproximadamente quatro meses, quando o estádio foi fechado para passar pelas reformas que incluíram a troca de todo o gramado.
 
CARCARÁ COM A FORÇA MÁXIMA
O técnico Fernando Alcântara não encontrará problemas para montar a equipe titular do Salgueiro para o confronto contra o Paysandu. O treinador mandará a campo os mesmos 11 que venceram o Botafogo-PB por 1 a 0. A única dúvida está na lateral-esquerdo, entre Daniel ou Peri.
 
Ambos são laterais de origem, mas a intenção de Fernando Alcântara é deixar o lado esquerdo do Salgueiro mais forte. Com isso, a ideia é escalar os dois juntos. Daniel deve ficar na ala, enquanto Peri faz a função no meio, assim como aconteceu nos últimos treinamentos da equipe.

“Nossa meta inicial era permanecer na Série C para a próxima temporada. A gente vem fazendo um campeonato muito bom, dando possibilidade de brigar pelo acesso à Série B. Temos que pensar jogo após jogo. Sabemos que cada partida é uma decisão, e é assim que temos que encará-las”, finalizou o treinador.
 
FICHA TÉCNICA
PAYSANDU X SALGUEIRO
 
Paysandu
Paulo Rafael;
Everton Silva, Charles, Fernando Lombardi e Fábio Alves;
Augusto Recife, Zé Antônio, Djalma, Héverton e Yago Pikachu;
Dennis.
Técnico: Mazola Júnior
 
Salgueiro
Luciano;
Tamandaré, Ranieri, Braz e Daniel;
Vitor Caicó, Moreilândia, Peri e Anderson Paraíba;
Fabrício Ceará e Élvis.
Técnico: Fernando Alcântara
 
Local: Estádio da Curuzu - Belém (PA); Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ); Assistentes:
Lorival Candido das Flores (RN) e Vinicius Melo de Lima (RN); Horário: 18h30.
 
AFI

 

Timbu encara Macaca em Campinas para fechar turno

A Ponte Preta quer começar o segundo turno de vez na briga pelo G4 da Série B do Campeonato Brasileiro. Para isto, o time precisa de uma vitória contra o Náutico, neste sábado, às 16h10, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 19ª rodada, a última da primeira metade da competição.

A Macaca é a oitava colocada, com 28 pontos, e observa o G4 de longe. Com os confrontos diretos do final desta rodada, o time campineiro pode se aproximar dos primeiros colocados. O Náutico está em boa fase, vem de três vitórias seguidas, e subiu para o décimo lugar, com 27 pontos.
 
FORA!
Grande contratação da Ponte Preta para a temporada, o meia Renato Cajá ainda não conseguiu fazer a sua reestreia. Depois de contratado, ele sofreu um edema na coxa direita e ficou de fora dos três últimos jogos do time. Recuperado, ele está confirmado entre os relacionados do jogo, mas deve começar no banco de reservas.

Com Adrianinho entre os titulares, a Ponte Preta terá poucas mudanças em relação ao time que perdeu para o América-MG para a partida deste sábado. Com Elton entregue ao Departamento Médico, Juninho volta a sua posição de origem no meio-campo. Assim, Bryan assume a lateral-esquerda. No ataque, Guto Ferreira mantém o esquema com três atacantes formado por Roni, Cafu e Rafael Costa.

AINDA NÃO...
Ainda não será neste sábado a estreia do meia Cañete como titular com a camisa do Náutico. Contratado por empréstimo junto ao São Paulo, ele sofre com uma sequência de lesões e ainda não começou jogando com a camisa do Timbu. Cotado para ser o substituto de Vinícius, suspenso com o terceiro cartão amarelo, ele se queixou de cansaço muscular e foi vetado pelo Departamento Médico.

Sem Cañete, o técnico Dado Cavalcanti terá que novamente quebrar a cabeça para escalar o time. Além do argentino, o zagueiro Mario Risso também está vetado e não viaja para Campinas. Em seu lugar Renato Chaves já está confirmado. Assim, o treinador deve optar por dois jogadores revelados no Timbu: Vítor Michels ou Marcos Vinicius.
 
AFI