quinta-feira, 21 de maio de 2015

Antônio Dib será o árbitro da partida entre Salgueiro e Águia de Marabá

Antônio Dib Moraes  (Foto: Divulgação)
Dib tem 32 anos e vai apitar o seu primeiro jogo na Série C (Foto: Divulgação)
O piauiense Antônio Dib Moraes de Sousa será o responsável em apitar a partida entre Salgueiro e Águia de Marabá, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro da Série C. Durante o confronto, o árbitro de 32 anos terá o auxílio do conterrâneo Thyiago Costa leitão e do pernambucano Cleberson do Nascimento Leite.
Nesta temporada, Antônio Dib atuou em jogos da Copa do Nordeste e da Copa do Brasil, nesta última, com destaque para o empate de 1 a 1 entre Sampaio Corrêa e Palmeiras. Também na Copa do Brasil, quando o Salgueiro goleou o Piauí por 5 a 1, Antônio Dib estava presente atuando na função de quarto árbitro.
A partida  entre Salgueiro e Águia será no próximo domingo, no estádio Cornélio de Barros,às 16h. 
Por GE

domingo, 17 de maio de 2015

Salgueiro vence o Botafogo-PB fora de casa e larga bem no Brasileiro Série C

Botafogo-PB x Salgueiro, pela Série C (Foto: Hévilla Wanderley / GloboEsporte.com/pb)
Carcará joga bem e passa pelo Belo em solo paraibano (Foto: GE/PB)
O Salgueiro começou a Série C do Brasileirão com o mesmo ritmo que levou o time ao inédito vice-campeonato Pernambucano. Neste domingo, o Carcará foi até Campina Grande e dominou o Botafogo-PB. Com gols de Kanu e Paulinho Mossoró, a equipe do técnico Sérgio China venceu por 2 a 1 e volta para o sertão de Pernambuco com os três primeiros pontos no grupo A da competição nacional. 

Superior durante boa parte do jogo, o Salgueiro começou a construir o resultado aos 24 minutos do primeiro tempo, com o atacante Kanu. Dez minutos depois, foi a vez do meia Paulinho Mossoró ampliar a vantagem. Aos 16 do segundo tempo, André Lima diminuiu o placar, mas não foi o suficiente. 
Após a vitória, o Carcará volta a jogar na Série C no próximo domingo, no Cornélio de Barros, contra o Águia de Marabá. Já o Belo, visita o ASA, no mesmo dia, em Arapiraca, tentando a recuperação. Na quarta-feira, encara o Treze, pelo quadrangular decisivo do Campeonato Paraibano.
No primeiro tempo o Salgueiro mandou no jogo. Tomando a iniciativa desde o início, o Carcará aproveitou os espaços oferecidos pelo Botafogo-PB. De tanto insistir, a equipe abriu o placar aos 24 minutos. Rodolfo Potiguar puxou o contra-ataque, passou de primeira para Valdeir, que foi para cima e encontrou Kanu sozinho. O camisa 9 conduziu bem a bola e mandou na saída do goleiro Genivaldo, abrindo o placar para os pernambucanos. 
O segundo gol não demorou a sair. Aos 35, em mais uma jogada de velocidade, Kanu envolveu a marcação do Botafogo-PB, mandou na área e Paulinho Mossoró escorou, ampliando a vantagem do Salgueiro. O placar fez com que o técnico paraibano fizesse duas substituições ainda na primeira etapa, mas foi o Carcará quem chegou perto de marcar mais um gol.
Se no primeiro tempo o Salgueiro teve chance de definir o resultado, no segundo o Belo veio disposto a não decepcionar seu torcedor. A equipe do técnico Marcelo Vilar lançou-se com tudo ao ataque e esquentou a partida no Amigão. 
Para colocar ainda mais fogo no jogo, o Belo conseguiu marcar o seu gol. Gustavo cobrou escanteio e o zagueiro André Lima, da pequena área, bateu de primeira, de perna esquerda, estufando a rede. Sentindo o golpe, o Salgueiro recuou e tentou garantir a vitória.  Pressionando muito, o Botafogo ainda conseguiu acertar uma bola na trave aos 36 minutos e aos 45 desperdiçou outra boa chance de gol. 
Por GE

Botafogo-PB e Salgueiro retomam o sonho do acesso em Campina Grande

Treino Salgueiro no Cornélio de Barros 2015 (Foto: Jadir Souza/TV Grande Rio)
Salgueiro espera fazer bonito na Série C (Foto: Jadir Souza)
O sonho de chegar à Série B está mais vivo do que nunca para Botafogo-PB e Salgueiro. Os dois times estreiam no Grupo A da Terceirona cientes de que podem brigar de igual para igual por uma vaga no G-4, o primeiro dos objetivos.Para o Belo, o início dessa caminhada será como mandante, mas longe de João Pessoa. Por causa de uma punição imposta pelo STJD, os paraibanos encaram o Carcará no Estádio Amigão, em Campina Grande, a partir das 16 horas.

Depois de bater na trave no ano passado, o Botafogo-PB vai para a sua segunda participação consecutiva na Terceirona com mais experiência e a certeza de que tem time para brigar até por mais um título nacional - seria o segundo de sua história, após a conquista da Série D em 2013. 
O adversário, no entanto, está empolgado pela inédita campanha no Campeonato Pernambucano, quando superou os tradicionais Náutico e Sport e ficou com o vice-campeonato.

Belo esquece o Campeonato Paraibano

A estreia na Série C acontece num momento turbulento para o Belo. O empate com o Auto Esporte (2 a 2) na abertura do quadrangular final do Paraibano provocou cobranças da torcida, especialmente porque o time vencia por 2 a 0 ao fim do primeiro tempo. Na última sexta-feira, dois jogadores foram dispensados (Gustavo Pastuch e Túlio Souza) e outros nomes poderão deixar o clube nos próximos dias. Some-se a isso o fato de seu artilheiro, Rafael Oliveira, ter se machucado justamente no momento menos indicado da temporada.

As boas notícias são os reforços. O Belo se fortaleceu para a Série C. Trouxe o zagueiro André Lima, ídolo do clube nos dois últimos anos, que estava no Central. Para o meio-campo, as novidades são Rone Dias (ex-Treze, que estava jogando no Londrina) e Samuel (ex-Fortaleza). E no ataque, a aposta é João Paulo (ex-ABC), que hoje deve formar dupla com Luiz Carlos.

Em relação ao time que joga logo mais, o técnico Marcelo Vilar ensaia mais algumas mudanças. Na defesa, André Lima e Airton devem ganhar as posições de Walter e Alex Cazumba, respectivamente. No meio-campo, Doda e Samuel brigam para saber quem vai ser o responsável pela criação das jogadas.

Salgueiro reforça a equipe para Terceirona

O Salgueiro começa o Brasileiro da Série C empolgado pela inédita campanha no Campeonato Pernambucano, quanto terminou com a segunda colocação, eliminando os tradicionais Náutico e Sport. A equipe sofreu algumas mudanças, como a saída do experiente lateral Lúcio, mas conta com o retorno de jogadores como o meia Anderson Paraíba, artilheiro da equipe na série C do ano passado, do lateral-esquerdo Daniel e do lateral-direito Toty, que tem passagem pelo próprio Botafogo-PB. Apesar das entradas e saídas, a base do grupo permaneceu. 

Alguns dos reforços já treinaram com o grupo, mas o técnico Sérgio China ainda não sabe se vai relacioná-los, pois gostaria de dar mais tempo para o condicionamento físico. Com isso, o comandante deve manter a base da equipe que disputou o estadual e a Copa do Nordeste.

Por GE

domingo, 3 de maio de 2015

Profissionalismo: Para presidente do Salgueiro, esta é a receita do sucesso

Salgueiro volta a disputar a Copa do Brasil (Foto: Emerson Rocha)
Carcará fez hisória a ser o primeiro do interior a disputar uma final do estadual (Foto: Emerson Rocha)
Há dez anos, quando ajudou profissionalizar o Salgueiro, o presidente do clube, Clebel Cordeiro, talvez não tivesse em mente de que em tão pouco tempo o time alcançasse feitos que outras equipes levam anos para conseguir. Acesso a Série B em 2010, grandes campanhas na Copa do Brasil, ficar entre os oito melhores do Nordestão e agora o vice-campeonato Pernambucano. Ao fazer história, o dirigente não só transformou o Carcará em uma força no estado, como também um time que se tornou exemplo de gestão a ser seguida.
Segundo o presidente, o principal segredo que permitiu essa crescente do clube é, acima de tudo, o profissionalismo. Para Clebel, muitas equipes se dizem profissionais, mas contratam pessoas amadoras para comandar. 
– Se você trabalhar com amadorismo vai ser sempre amadorismo. Por exemplo, nós temos uma gestão de futebol, nós temos um diretor de futebol. Eu trouxe um diretor de futebol que trabalhou 15 anos no Sport e hoje está no Salgueiro. Quem toma conta da parte esportiva é ele, então eu não me meto – destaca Clebel, se referindo ao gerente de futebol, Carlos José de Araújo. 
Um dos segredos do Salgueiro está na maneira como o elenco é formado. De acordo com Clebel, a direção busca atletas que tenham comprometimento com a equipe. Além disso, o clube se destaca por não atrasar salários. 
– Existe a diferença do jogador para o atleta. O jogador vem só para ganhar o dinheiro, o atleta não, ele vem para permanecer dentro do clube. Nós temos compromisso com alguns atletas de quantos anos? De seis anos de comprometimento com a nossa cidade. Ele veste a camisa e defende a sua cidade. Ele passa a ser um atleta torcedor que tem mais compromisso com o grupo. 
O profissionalismo que o Salgueiro vem atingindo ficou evidente no início da temporada. Quando o time ia mal, sem conseguir vitórias no Pernambucano e na Copa do Nordeste, a presença do técnico Sérgio China passou a ser questionada pela torcida e por parte da imprensa. Na época, o clube optou por manter o comandado técnico. Agora, o treinador do Carcará foi eleito o melhor do campeonato estadual.
– Quando alguém te contratou no jornal ou na televisão sabia do seu potencial e porque demitiria você no momento de uma falha? Acho que isso não existe. China já faz parte da vida do Salgueiro e a gente acreditou muito nele e não vamos abrir mão de seu trabalho – assegura Clebel.
A ascensão do Salgueiro reflete diretamente na cidade. E esse é mais um orgulho do presidente do Carcará. 
– Para cidade representa muito, porque são mais horas de televisionamento, uma divulgação a mais. É muito importante para cidade hoje ter um time na primeira divisão e a cada hora buscando títulos.
Diante do sucesso que o clube tem vivido, o dirigente sertanejo procura manter os pés no chão, sem deixar que o oba-oba do momento tire o foco. Mesmo sem o título estadual, Clebel afirma que as coisas não mudam muito. O objetivo é continuar seguindo a linha de trabalho para manter o Carcará entre os melhores do estado e contribuir para o fortalecimento do futebol no interior. 
– Vamos continuar esse trabalho, essa perseverança. O Salgueiro volta de novo a fazer as mesmas coisas, a disputar os mesmos campeonatos, a se unir com o Petrolina, Araripina, Serra Talhada, para ficar mais forte. Hoje não tem muitas equipes no sertão e precisamos fortalecer – finaliza. 
Por GE

Sérgio China acredita que faltou tranquilidade para a conquista do título

Sérgio China Salgueiro (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
China foca agora na Série C do Brasileiro (Foto: Aldo Carneiro)
Pelas mãos do técnico Sérgio China, o Salgueiro tem feito história. Mas não foi desta vez que a equipe conquistou o inédito título de campeão pernambucano. Depois de perder para o Santa Cruz no jogo de volta neste domingo, no Arruda, o sonho vai ter que aguardar um pouco mais. Mas na opinião do treinador, o dever do clube foi cumprido.
- O trabalho foi feito. Toda comissão técnica, toda direção, o apoio aos jogadores, isso permitiu chegar a brigar pelo título de igual para igual com o Santa Cruz. Fizemos um bom primeiro jogo, um segundo jogo regular  e o Santa Cruz venceu. Paciência, faz parte do futebol - pondera.
Mesmo com a derrota por apenas um gol, o treinador acredita que o título não foi perdido no empate dentro de casa no jogo de ida e sim na falta de tranquilidade nas finalizações no segundo jogo.
- Pelo volume que nós tivemos, pela quantidade de gols que nós perdemos e pelo pênalti, a gente fica com o sentimento de que o primeiro jogo foi que fez com que a gente não tivesse sido campeão, mas não é isso. Tivemos o segundo jogo e deveríamos ter jogado melhor, principalmente na parte ofensiva, nos contra-ataques, com um pouquinho mais de tranquilidade - avalia.
Agora, Sérgio China volta o foco do time ao principal objetivo do ano, garantir o acesso à série B do Campeonato Brasileiro.
- O que nós temos que fazer agora é parabenizar o grupo, melhorar, evoluir sempre. Mesmo se a gente tivesse sido campeão, a gente ia ter que evoluir. Temos sempre que qualificar mais o grupo buscando quem sabe agora uma subida para a série B - finaliza.
Por GE

Salgueiro perde no Arruda e deixa escapar título do pernambucano

santa cruz x salgueiro (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Anderson Aquino foi o autor do único gol do jogo (Foto: Aldo Carneiro)
Até a final deste domingo, eram duas derrotas, um empate e nenhum gol marcado em três jogos contra o Salgueiro, que se acostumou a ser algoz do Tricolor desde o ano passado, quando venceu a disputa pelo terceiro lugar no estadual e ficou com a vaga na Copa do Nordeste. Estava atravessado na garganta do torcedor coral. O jejum durou até os 24 minutos do segundo tempo. Até Anderson Aquino aparecer. Logo ele, a surpresa na escalação de Ricardinho. Logo ele, absolutamente discreto antes do lance decisivo. 
Mais de 46 mil tricolores fizeram a festa no Arruda. Com o empate sem gols na primeira partida, no Sertão, a vitória por 1 a 0 coroou a improvável campanha coral. De início nebuloso e desfecho surpreendente. Como esquecer as derrotas para Sport e Serra Talhadas, ambas por 3 a 0, nas duas primeiras rodadas. A desconfiança em torno de um elenco totalmente reformulado, sob o comando de um técnico que ainda tem muito a provar. Com o título, Ricardinho sobe degraus na carreira. O Salgueiro tentava ser o primeiro campeão do interior em 100 anos de história do Campeonato Pernambucano.
A atmosfera do Arruda - lotado com mais de 50 mil tricolores - não pareceu intimidar o calejado time do Salgueiro. Num primeiro tempo de poucas oportunidades, o Carcará, em nenhum momento, adotou postura de time pequeno. Precavido, mas consciente de uma proposta de jogo bem definida, fruto do entrosamento construído ao longo de anos.
Os sertanejos equilibraram as ações, mas pouco incomodaram no ataque. Mesmo sem uma pressão efetiva, quem esteve mais perto do gol foi o Tricolor. Bruninho, Edson Sitta e Emerson Santos levaram perigo à meta de Luciano. 

Ao fim do primeiro tempo, estava mantido o tabu: no quarto jogo entre os dois times este ano, o Tricolor ainda não tinha conseguido marcar um gol no Carcará. 

Aos 14 minutos da segunda etapa, Ricardinho atendeu ao clamor das arquibancadas e acionou o xodó da torcida: Renatinho substituiu Emerson Santos. O tempo passava e o Santa tentava impor seu ritmo, mas o jogo seguia equilibrado. Cada vez mais tenso. A história mudou aos 24 minutos. Até então apagado, Anderson Aquino apareceu. Tabelou com João Paulo, fintou o marcador e acertou, de fora da área, um chute certeiro no cantinho de Luciano. Golaço. Para enlouquecer o Arruda.  
"O campeão voltou!", começou a cantar feliz o torcedor tricolor. Enfim, o Santa furava o bloqueio do Salgueiro e encerrava o jejum de gols contra o adversário. Anderson Aquino deixaria o gramado menos de 10 minutos depois, substituído por Bileu. Ovacionado. Atacante que é, ele só precisou de uma bola. É o mais novo personagem da história centenária do Santa Cruz.
Por GE

Tradição x ineditismo: Santa Cruz e Salgueiro decidem o Pernambucano

Salgueiro x Santa Cruz Pernambucano (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Na primeira partida as duas equipes ficaram no zero (Foto: Aldo Carneiro)
Dono de 27 títulos estaduais, três nos últimos quatro anos, o Santa Cruz entra em campo com o peso da tradição e a obrigação de superar um tabu: em três jogos contra Salgueiro, duas derrotas, um empate e nenhum gol marcado. Sem tanto peso na camisa, mas com o retrospecto a favor, o Carcará tenta não se intimidar diante de um estádio lotado, para conquistar o primeiro título do interior em 101 edições do Campeonato Pernambucano. Esse é o cenário que deve atrair mais de 50 mil pessoas para o Arruda. A bola rola às 16h desde domingo e ninguém tem vantagem. Empate leva a decisão para os pênaltis.
Rejeitando o rótulo de favorito, o técnico Ricardinho cobrou mais atitude aos seus comandados. Após reclamar da postura da equipe no empate em 0 a 0, na última quarta-feira, o treinador decidiu não revelar a equipe que mandará para o jogo, mas deixou claro que deverá fazer mudanças. A principal delas, porém, não será por opção. Lesionado, Tiago Costa deve dar lugar para Renatinho.
hegou o grande momento para o Salgueiro. Dez anos após a profissionalização, o Carcará disputa a primeira final da história. Feito inédito para clubes do interior. Mas quando entrar no Arruda, a equipe não contará com o apoio da torcida salgueirense. Fora do estádio, no entanto, não seria exagero falar que a equipe terá, pelo menos nesse domingo, a maior torcida de Pernambuco. Afinal, com Sport e Náutico fora da final, os sertanejos passaram a ser visto como a esperança para evitar mais um título coral.
Por GE

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Salgueiro erra a pontaria e não sai do 0 a 0 contra o Santa Cruz no Sertão

Salgueiro x Santa Cruz Pernambucano (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Carcará vai ter que fazer o resultado no Arruda (Foto: Aldo Carneiro)
Depois de eliminar o Sport na semifinal do Campeonato Pernambucano, o Salgueiro por pouco não começa a decisão contra o Santa Cruz repetindo o mesmo roteiro. Jogando em um Estádio Cornélio de Barros lotado, o Carcará teve a chance de sair de campo com a vantagem em uma cobrança de pênalti ainda no primeiro tempo. No entanto, ao contrário do que fez na semifinal, quando converteu os dois, desta vez o zagueiro Rogério Paraíba acertou a trave. O pênalti perdido foi retrato do Salgueiro que abusou de falhar nas finalizações. Só Lúcio, perdeu dois gols feitos. O Santa Cruz não teve uma noite inspirada e acabou sem dar muitos trabalhos ao goleiro Luciano. Com isso, o zero não saiu do placar.
Salgueiro e Santa Cruz voltam a se enfrentar agora no próximo domingo, no Estádio do Arruda, onde, enfim, o Campeão Pernambucano de 2015 será conhecido. Com o empate do primeiro jogo, só a vitória dá a taça para qualquer um dos dois lados. Um novo empate, seja ele com gols ou sem gols, leva a decisão para os pênaltis.
As equipes apresentaram um futebol semelhante no primeiro tempo. Se faltou a técnica que um jogo final merecia, sobraram a raça e a vontade necessárias em uma decisão. Foram poucos os lances que levantaram a torcida nos 45 minutos iniciais. O Salgueiro levou um susto no início, mas no final computou mais oportunidades de marcar - entre elas uma penalidade. Logo aos sete minutos, Emerson Santos recebeu belo passe de Guilherme Biteco, dentro da área, mas parou em Luciano, que salvou os sertanejos.
O Carcará só respondeu na reta final. E teve pelo menos três boas estocadas para tirar o zero do placar. No entanto faltou competência. Na primeira, aos 31 minutos, Lúcio ficou na frente de Fred, mas chutou fraco e facilitou a vida do goleiro coral. Logo depois, aos 37, Kanu foi derrubado na área por Alemão. Na cobrança do pênalti, Rogério, o mesmo que converteu dois contra o Sport, nas semifinais, mandou na trave. No final, Vítor Caicó recebeu um belo passe de Rodolfo Potiguar e, novamente, dentro da área, falhou na hora do arremate.
Salgueiro pecou ainda mais nas finalizações

Personagem do primeiro tempo com um gol perdido de forma inacreditável, Lúcio voltou a aparecer de forma negativa no segundo tempo. E conseguiu perder outro gol feito, aos 24 minutos. O lance, no entanto, serviu para que o Salgueiro acordasse e logo na jogada seguinte Marlon por pouco não faz um golaço por cobertura de Fred. O grande problema eram as finalizações. E ele persistiu até o final do jogo. Valdeir teve pelo menos mais duas chances e o zagueiro Rogério Paraíba também não acertou a pontaria. Já nos acréscimos, Marcos Tamandaré tentou um cruzamento, mas a bola pegou efeito e tomou a direção do gol. O goleiro Fred se esticou e evitou o gol do Carcará. 

Por GE

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Salgueiro e Santa iniciam decisão no Estadual

salgueiro x santa cruz (Foto: Tiago Medeiros)
Salgueiro vem se dando bem contra os corais (Foto: Tiago Medeiros)
Mais um capítulo da história de cem anos do Campeonato Pernambucano começa a ser escrito às 22h desta quarta-feira, no Estádio Cornélio de Barros, em Salgueiro. E com um toque especial. O Salgueiro recebe o Santa Cruz com a expectativa de se tornar o primeiro clube do interior a levantar a taça de campeão. Mas os tricolores, do outro lado, não pensam na possibilidade de viés diferente no enredo do Estadual. Pensam, ao contrário, em estragar o sonho e reconquistar o título depois da série de três conquistas, quebrada em 2014, pelo Sport. A segunda e decisiva partida acontece no próximo domingo, no Arruda.
Salgueiro chega à primeira final do Campeonato Pernambucano ao lado da torcida. Não deixa de ser um adversário a mais para os tricolores, uma vez que o estádio se transforma num caldeirão quando está lotado. Dos ingressos postos à venda, foram comercializados 8.500, uma prova que a galera salgueirense vai botar o Salgueirão para ferver.
Para esta primeira partida, Sérgio China pretende manter a equipe que desclassificou o Sport no último domingo, em plena Arena Pernambuco. As mudanças previstas e cobradas pelo técnico são relacionadas ao esquema tático que usará para enfrentar o Santa e a postura dos jogadores diante da importante decisão.
O Santa Cruz chegou à final de mansinho. Enfrentou problemas na fase de classificação, segurou lanterna da competição, mas, aos poucos, ajustou-se e se classificou à semifinal na terceira colocação. No duelo contra o Central, atropelou. E chega para a grande decisão com 6 a  0, somados os dois placares, contra os caruaruenses - 4 a 0 só no primeiro confronto, no Arruda.
Com uma maneira de atuar formatada desde o início, engrenou no momento certo e não deve mudar a postura para a decisão. Jogadores e o próprio técnico Ricardinho atestaram manutenção do estilo. O respeito ao Salgueiro, como de praxe, também foi tema recorrente.
Por GE

domingo, 26 de abril de 2015

Salgueiro elimina Sport e é primeiro time do interior na final do Pernambucano

Pequena torcida do Salgueiro na Arena comemora / Foto: André Nery/JC Imagem
Torcida do Carcará fez a festa da Arena Pernambuco (Foto: André Nery)
O Salgueiro entrou para a história, e o Sport manchou a sua. Quando Marcelo de Lima Henrique deu o apito final para o empate de 1x1, na tarde deste domingo, na Arena Pernambuco, o Carcará se tornou o primeiro time do interior a se classificar para uma final de Campeonato Pernambucano, e o Leão perdeu a vaga na decisão do torneio depois de estar presente em todas desde 2006. Como o Sport não foi capaz de reverter o 2x0 no Sertão, o soar do apito teve um tom de frustração para os rubro-negros que tinham um início de temporada cercado de expectativa e acabou eliminado tanto do Estadual quanto da Copa do Nordeste.

Agora,  o Leão vai disputar o terceiro lugar com o Central, na próxima quarta-feira, às 20h, em Caruaru. No mesmo dia,  mais tarde, às 22h, o Salgueiro vai enfrentar o Santa Cruz, no Sertão. O jogo da volta rubro-negro está marcado para o sábado às 18h30, na Arena Pernambuco, enquanto que o dos sertanejos será no domingo, às 16h, no Arruda.

O JOGO
Como era de se esperar, o Sport começou o jogo no ataque com a prometida formação ofensiva, porém de forma desorganizada. O Salgueiro por sua vez congestionou o meio de campo colocando apenas um homem (Kanu) na frente. 

O Leão mantinha a posse de bola, mas não conseguia transformá-la em chances de gols e abusava dos erros de passe. A primeira boa chance veio aos 22 minutos, com uma sequência de dois cruzamentos na área do Salgueiro que foram bem afastados por Luciano. Na sequência, o goleiro defendeu chute perigoso de Neto Moura. Luciano apareceu novamente depois segurando cabeçada de Páscoa, após cobrança de falta. Somente aos 30, o Salgueiro deu o primeiro chute a gol com Moreilândia. 

Dois minutos depois, a chance que o Sport tanto esperava: falta na entrada da área. Diego Souza puxou a responsabilidade e devolveu em técnica. Cobrança perfeita que abriu o placar para o Leão. A torcida respondeu: "Eu acredito!". O Sport acreditou mais em si e quase fez o segundo em um chute cruzado de Élber que raspou a trave. Chance incrível mesmo teve Felipe Azevedo que recebeu a bola sozinho na pequena área e chutou pra fora aos 43. 

O Salgueiro voltou para o segundo tempo mais arisco no ataque. Nervoso, o Sport não conseguiu aproveitar as brechas criadas no campo. A primeira oportunidade rubro-negra veio aos 18 com Vítor que invadiu a área e chutou nas redes pelo lado de fora. Depois, foi a vez de Élber chutar com perigo duas vezes, na primeira Luciano defendeu e, na segunda, a defesa afastou.

Eduardo Baptista tirou os homens de criação, Diego Souza e Régis, e colocou atacantes, respectivamente, Samuel e Mike. Depois, Joelinton entrou no lugar de Neto Moura. Nada adiantou. O Sport não respondia. Ao contrário do Salgueiro que em um contra-ataque, aos 42, empatou a partida com um chute cruzado de Valdeir. Vítor ainda foi expulso depois de agredir Anderson Lessa que no último minuto quase não vira o jogo.

Por JC Online